Poda de macieira: o guia preciso de como fazer

Poda de macieira: o guia preciso de como fazer

Depois de falar sobre poda de oliveira, poda de cerejeira, poda de limão e poda de cipó, hoje falamos de poda de macieira.

Você está interessado em conhecer todos os segredos da poda da macieira?
Você está curioso para saber quais são os melhores métodos para fazer isso?

Querido amigo de Nós somos agriculturafique à vontade, porque este é o artigo que você está procurando.

A macieira

A macieira (Malus communis) pertence à família de Fruta de pomó é cresce espontaneamente nas florestas de toda a Europa.

É uma planta nativa do Cáucaso e era conhecida desde os antigos gregos. Ainda hoje, a macieira é uma das fruteiras mais difundidas.
Apesar disso, no entanto, o cultivo profissional de macieiras na Itália ocorre principalmente em Romagna, Veneto e Trenito-Alto Adige.

A Itália é um dos principais países da Europa a produzir maçãs para consumo direto.
Em outros países, a produção é destinada principalmente ao processamento em geleias, marmeladas e sucos.

Como reconhecer os ramos frutíferos da macieira

A macieira dá frutos em vários tipos de ramos, que têm diferentes dimensões e características. Abaixo listarei apenas os principais: a lamburda, o brindillo e o ramo misto.

Lamburda

Lamburda é um ramo com apenas 1 a 4 cm de comprimento e um ciclo de produção de 4 anos.

  • No decorrer primeiro ano produz apenas uma roseta de folhas, mas não floresce (e, portanto, não dá frutos). Na verdade, nesta fase, é chamado de "lamburda vegetativa”.
  • No decorrer segundo ano floresce e dá frutos, por isso leva o nome de "Lamburda Fiorifera”.
  • O terceiro ano incha na base e ainda dá frutos e leva o nome de "sacola”.
  • Dentro Quarto ano ele se alonga e desenvolve ramificações curtas. Devido à sua forma característica leva o nome de "coxa de frango" Sua produção é contínua, mas fornece apenas maçãs pequenas e de baixa qualidade (como veremos, ela deve ser eliminada).

O brindillo

O brindillo é um galho delgado e flexível, 12 a 30 cm de comprimento. No ápice possui um botão misto, ou seja, produz folhas e flores (e, portanto, frutos). Possui ciclo de produção de apenas um ano.

O ramo misto

O ramo misto tem um diâmetro maior em comparação com o brindillo e é mais longo. No pico, destaca-se um botão que produz folhas e brotos. O ramo misto também tem um ciclo anual.

Poda de macieira

O cultivo de macieiras requer poda regular, que deve ser feita com procedimentos ligeiramente diferentes de acordo com o tipo de variedade. O método de poda mais comumente usado e mais produtivo é dividido em 4 etapas: poda agrícola, poda produtiva, poda lamburde, poda brindilli.

Poda de reprodução

Durante os primeiros dois anos de crescimento da planta, uma série de práticas deve ser praticada cortes para dar sua forma final que foi escolhido, essa é a chamada forma de criação. Por esse motivo, a poda da macieira que ocorre neste período é denominada poda reprodutiva e termina 4-5 anos após a implantação, quando a estrutura da copa estiver concluída.

Poda de produção

Assim que a planta começar a frutificar, é necessário intervir todos os anos com uma poda regular para renovar os ramos frutíferos, ou seja, aqueles que já produziram frutos.

A operação consiste emeliminação dos ramos antigos para permitir o desenvolvimento dos jovens. Este segundo tipo de poda de macieira leva o nome de poda de produção.

A poda da fazenda e a poda da produção não são duas fases distintas e separadas: há um período, de fato, de cerca de 2-3 anos, em que as duas podas são realizadas simultaneamente.

A poda de produção é geralmente realizada após 2-3 anos do plantio, quando a planta começa a dar frutos. Isso significa que, com uma única operação, um podador experiente modifica a forma da planta e, ao mesmo tempo, remove os ramos que já produziram frutos e agora estão esgotados.

A partir do momento em que a planta começa a frutificar, a poda de produção deve ser realizado todos os anos, durante os meses de inverno, período em que ocorre o chamado repouso vegetativo, que vai desde a queda das folhas até 2 a 3 semanas antes da floração esperada (fevereiro-março).

Poda da lamburde

A poda da lamburde deve envolver cerca de 20-25% da quantidade total de ramos. Como dissemos acima, estes têm um ciclo de produção de 4 anos e apenas a lamburde de 4 anos deve ser cortada. A razão desta poda reside no fato de, após esse período, assumirem a forma de "pé de galinha" e eles produzem frutas pequenas e de baixa qualidade. Por esse motivo, não é economicamente conveniente mantê-los para uma fazenda com fins lucrativos.

Poda de brindilli

A poda de brindilli e ramos mistos, que têm ciclo de produção de apenas um ano, deve levar à eliminação de cerca de 50% dos ramos. Na planta existem simultaneamente torradas e ramos mistos do ano em curso, que ainda não frutificaram, e outros do ano anterior, que eles já produziram frutos: apenas estes últimos devem ser eliminados.

Restrição de frutas

Algumas variedades, como as pertencentes ao grupo de Tinto delicioso, além da poda, exigem o desbaste dos frutos.

Essas variedades, de fato, eles tendem a produzir uma grande quantidade de frutas pequenas. Se todas essas frutas pudessem amadurecer, eventualmente seriam obtidas maçãs pequenas e de baixa qualidade.

Por este motivo é necessário remover especialmente os menores e mais fracos e aqueles que se desenvolveram muito próximos uns dos outros, ficando no caminho um do outro em crescimento.

O desbaste da fruta ocorre aproximadamente um mês após a floração, ou seja, no período entre final de abril e início de junho, dependendo da região.

Período e épocas de poda de macieira

Podando a macieira deve ser programado de modo que é completado 2-3 semanas antes que os brotos comecem a se desenvolver, ou seja, nos primeiros dias de março.

Isso é necessário para garantir que o despertar vegetativo da planta não coincide com o início da brotação, mas com o início da atividade do sistema radicular. O início da atividade radicular é sinalizado pelo vazamento de líquido das feridas causado pela poda da macieira.

Se a poda da macieira for feita tarde demais (antes do início da atividade das raízes ou mesmo quando a planta já germinou) o crescimento da planta para por algumas semanas e todas as fases do seu ciclo de produção, da floração ao amadurecimento dos frutos, sofrem com atrasos.

Se isso acontecer, a produção de frutas será menor e estes serão menores do que o tamanho normal.


Você acha que as informações neste artigo estão incompletas ou imprecisas? Envie-nos um relatório para nos ajudar a melhorar!



Poda de macieira: o guia preciso de como fazê-lo - jardim

A macieira é uma planta frutífera do gênero Malus e pertence à família Rosaceae.
É uma árvore caducifólia, com altura máxima de até 11 metros.
O sai são alternadamente ovais e com borda serrilhada, com mais ou menos 10 cm de comprimento. A flores são geralmente de cor branca e agrupados em pequenos grupos de 3-6 espécimes, são hermafroditas, o que significa que possuem caracteres masculinos e femininos, a macieira em geral flores entre o mês de abril e pode.
O fruta denominado pomo, possui diferentes tamanhos e cores que podem variar do verde ao vermelho intenso, a polpa é geralmente de cor branca muito consistente e com sabor levemente ácido.

As variedades são muitas, por conveniência são dividido em grupos e eu sou:
Gala, Jonagold, Stayman e Fuji.
Tinto delicioso é outro grupo, que inclui variedades de grandes maçãs vermelhas, o amadurecimento geralmente ocorre do início de setembro até mais de meados do mês. Têm uma polpa tenra, doce e suculenta caracterizada por um aroma típico, algumas destas variedades são: "Stark", "Richard", "Super Starking" e "Hi Early".
O grupo de maçãs denominado “Golden Delicious” inclui variedades que estão muito difundidas em todo o mundo, são maçãs que atingem a maturidade em meados de setembro, a clássica maçã amarela, tem uma polpa fina de boa consistência, com uma textura adocicada e ligeiramente ácida sabor.


Poda: criação ou treinamento

poda de árvores frutíferas a chamada "reprodução" é realizada para formar uma planta vigorosa e produtiva, de acordo com os limites impostos pela variedade, o nível de fertilidade do solo e o clima. Deve ser realizada em espigas plantadas e já podadas adequadamente no viveiro, de acordo com a idade e formato da planta.

Esta poda é implementado de várias maneiras e pode ser:

  • para fuso livre: poda adequada para Contudo, muito semelhante ao modo vegetativo espontâneo desta espécie
  • para cordas: poda usada para plantas enxertadas em porta-enxertos fracos, Enquanto o pêra no marmelo. As contas podem ser verticais, oblíquas ou horizontais, simples ou duplas
  • para leque dobrável: é o típico poda de pêssego e outros prunoides e é comum apenas em cultivos para fins ornamentais.
  • para formas livres: a árvore, depois de atingir a altura do andaime, é deixada a crescer livremente, apenas cortes ocasionais são feitos para eliminar ramos danificados ou excessivamente grossos.


Como podar

Atualizado em 27 de setembro de 2017 por Patrick Gaubert

Quando as plantas começam a colocar os brotos, são retiradas as mal localizadas, que não deveriam constituir os ramos principais e, em vez disso, respeitam-se as bem arrumadas. Então você tem que fazer a poda exatamente. Com este guia, mostrarei em detalhes todos os critérios de poda e regras gerais de poda.

PODA DA FAZENDA
Com a poda de reprodução, você dá à planta a forma que deseja. Ao realizar esta poda, preste atenção para fazer pequenos cortes para não ferir gravemente a árvore. As formas que são atribuídas às plantas arbóreas são divididas em livres e apoiadas. As principais formas livres são: vaso e pirâmide. As principais formas inclinadas são o cordão e a palmeta.

FORMA DE VASO
Esta forma é dita a pleno vento quando a bifurcação dos ramos está a cerca de 2 m de distância do solo, a meio vento quando esta distância é de cerca de 1 me a panela baixa quando a instância acima mencionada é reduzida para menos de meio metro. Para formar o vaso, a haste é cortada na altura desejada dos jatos que se desenvolverão próximo ao corte, deixando três bem arranjados, ou seja, quase igualmente distantes um do outro. No ano seguinte, eles cortarão em um comprimento de cerca de 20-30 cm acima de dois botões voltados lateralmente, ou seja, não para o centro da planta nem para fora.

No ano seguinte continuamos a operar da mesma forma nos ramos nascidos destes botões, de forma que ao final de quatro anos temos uma árvore em forma de taça ou vaso, formato adequado para plantas cultivadas isoladas ou espaçadas da outras. As macieiras, cerejeiras, figueiras, amendoeiras, oliveiras, nogueiras, pereiras, pessegueiros e ameixeiras crescem em árvores altas. O damasco, a cereja, o marmelo, a nêspera, a ameixa, a macieira são cultivados no meio do tronco. O pessegueiro, a pereira (enxertada no marmeleiro) e a macieira (enxertada no dolcino ou paraíso) são cultivadas em vaso baixo.

FORMA DE PIRÂMIDE
Esta forma é composta por um eixo principal ou haste com menos de 5 m de altura e por ramos laterais dispostos à sua volta. Esses ramos partem de uma altura de 30-35 cm do solo, e atingem o topo do caule, têm comprimento decrescente de baixo para cima e uma inclinação média de 45 graus para que a planta adquira a forma de um pirâmide ou eles dizem. Para obtê-lo, deve-se ter o cuidado de levantar o caule na vertical e bem reto e isso é feito cortando-o no primeiro ano a uma altura de 50-60 cm do solo acima de um botão voltado para o lado oposto ao enxerto.

No ano seguinte a extensão será cortada em 50 cm de comprimento e desta vez sobre uma gema voltada para o enxerto e assim por diante. Escolhendo alternadamente as posições das gemas que dão as extensões do caule, obtém-se reto e vertical. O desenvolvimento dos ramos laterais será regulado, os quais não devem apresentar bifurcações, exceto nos pontos onde há lacunas, por meio de tique-taque eles, cortando-os acima dos botões voltados para fora e com operações de poda de verão.

FORMA DO CABO
As contas podem ser verticais, horizontais e oblíquas. O cordão vertical consiste em uma haste reta e vertical simples que se obtém seguindo as mesmas regras já mencionadas para a haste da pirâmide. Apresenta lateralmente, ao longo de todo o seu comprimento, pequenos ramos lenhosos e frutíferos. Esta forma está encostada em paredes ou suportes. O cordão horizontal é constituído por uma haste dobrada horizontalmente, podendo ser unilateral ou simples, bilateral ou dupla.

Para formar o cordão horizontal simples, a haste é dobrada sobre um suporte horizontal a uma altura de cerca de meio metro. Para formar o duplo, corta-se o caule acima de dois botões, a cerca de meio metro de altura, os dois rebentos que se desenvolvem, um dobrado para a direita e outro para a esquerda, sobre um fio de ferro ao qual são atados. Com os cordões horizontais pode-se vedar os canteiros de pequenos pomares familiares, com o mesmo procedimento para a obtenção do cordão horizontal obtém-se o cordão oblíquo. A macieira (enxertada no dolcino ou paraíso) e a pereira (enxertada no marmelo) são cultivadas em um cordão.

FORMA DE PALMA
A forma de palmeta consiste em uma haste na qual dois ou mais pares de ramos carregando os ramos frutíferos são inseridos simetricamente à direita e à esquerda. Esses ramos podem ser cultivados com uma inclinação de 45 ° em relação ao caule, perpendicular ao caule, ou mantendo-os horizontais para a seção próxima ao caule e verticais para a seção extrema. Neste caso, a forma é uma forma de U simples ou duplo. Temos uma forma de U simples quando apenas dois ramos se ramificam de uma haste, temos uma forma de U duplo quando quatro ramos se ramificam de uma haste: dois inferiores são mais longos e dois dos ramos superiores são mais curtos. Para criar uma palmeira, poda a uma altura de cerca de meio metro acima de três botões, dois do lado oposto e um central localizado na frente. As duas gemas laterais desenvolverão brotos que formarão o primeiro par de ramos, a gema central formará a extensão do caule, que será direcionado verticalmente.

Os outros brotos são eliminados. A cerca de 30 cm da primeira bifurcação, será feita a poda do ramo central da mesma forma para que, após dois anos, haja dois pares de ramos laterais. Procederemos desta forma de acordo com o número de ramos laterais a serem obtidos, tendo o cuidado de amarrar adequadamente esses ramos a suportes especiais. Adapta-se à palmeta, em especial ao pessegueiro.

PODA DE PRODUÇÃO
Com a poda de produção, o vigor e a regularidade da planta são mantidos, fazendo com que ela dê mais frutos a cada ano. De facto, com esta poda cortam-se as formações que não querem dar fruto e as que, se desenvolvendo, danificam as partes que dão fruto. A poda de produção divide-se em poda seca ou de inverno e poda verde ou de verão.

PODA SECA OU DE INVERNO
A poda a seco deve ser feita durante o período de descanso das plantas em plantas decíduas é praticada durante o período em que estão nuas, ou seja, de novembro a março. Em qualquer caso, deve ser feito quando não houver perigo de geada e quando as plantas não estiverem molhadas. A época apropriada é, portanto, ou no final do outono ou no final do inverno. Também é útil antecipar a poda de plantas fracas e variedades precoces.

PODA VERDE OU VERÃO
A poda verde é chamada de poda realizada nas partes verdes das plantas, ou seja, nos botões, brotos, brotos, etc. Acontece durante o período de primavera e verão. Seu principal objetivo é aumentar a frutificação. As principais operações, no que diz respeito à poda em verde, são: sucção e cobertura. A sugação consiste na supressão das ventosas desenvolvidas nos pontos inadequados que, se deixadas, assumiriam os demais ramos da planta.

A cobertura consiste em retirar a ponta de alguns rebentos para concentrar os sucos nutritivos nas partes que restam (como por exemplo na videira) ou para favorecer o desenvolvimento e formação de botões de floreira ou para evitar o desenvolvimento excessivo da planta. Esta operação deve ser realizada com as mãos e em várias vezes, dependendo do vigor das plantas. Os brotos que se desenvolverão nas copadas, e que são chamados de antecipados, também serão, posteriormente, brotados (recortados).

REGRAS DE PODA GENÉRICAS
Finalmente, aqui estão as regras gerais de poda. Em primeiro lugar, os cortes devem ter uma superfície lisa e drenante, voltada para o lado oposto do botão próximo. Os cortes de ramos muito grandes devem ser espalhados com mástique, pode ser útil entalhar alguma protuberância, um ano antes da poda, o galho grande a ser cortado, de modo a favorecer a emissão de alguns brotos quanto mais um galho fica reto próximo à vertical e mais tende a se alargar por ser mais suprido com os elementos sugados pelas raízes. Dessa forma, se você quiser afinar um galho, pode podar um botão voltado para fora e vice-versa. Considerado Dois brotos, um terminal e um inferior, o terminal crescerá mais porque o botão terminal atrai mais nutrição do que os outros.

Considerando dois ramos, um cortado curto, ou seja, deixado com poucos botões, e um corte longo, ou seja, com muitos botões, o segundo, isto é, o corte longo, se desenvolverá mais. Considerando dois ramos, um primeiro corte curto e um segundo corte longo, desenvolver-se-ão rebentos mais vigorosos do primeiro, ou seja, daquele que ficou com poucos botões. A copa de uma planta deve ser mantida mais coletada em solos pobres e bastante ampla em solos férteis. Quanto mais um ramosi se desviar da vertical, ou seja, quanto mais prejudicada a circulação da linfa, mais abundante será sua frutificação. Ao cortar um galho logo acima de um botão, o galho que se desenvolve a partir desse botão tomará uma direção que se aproxima da extensão do galho.

COMO USAR AS FERRAMENTAS PARA PODAR
Para cortar com tesoura, o galho a ser cortado é colocado segurando o galho arqueado do instrumento que está na frente da lâmina, do lado oposto à porção do galho que vai ficar, de modo que o amassado produzido pelo arco a ramificação está na parte da ramificação que foi removida. No caso de corte inclinado, a lâmina deve fazer o corte a partir da extremidade mais baixa. Para facilitar a penetração da lâmina, o ramo a cortar ficará ligeiramente dobrado para alargar a tília iniciada. Quando os galhos a serem cortados tiverem diâmetro superior a dois centímetros, será utilizada a serra.

Os cortes feitos com a serra são passados ​​com o podador. Quando os ramos maiores devem ser amputados, para evitar o rasgo da casca ao longo das bordas do corte, quando a parte a ser removida tombar violentamente para baixo, é aconselhável cortá-los um pouco acima do ponto onde o corte deve ocorrer e então proceda com a amputação do coto no ponto preciso. Em vez da serra, você pode usar a picareta, o gancho de poda ou a machadinha. Essas ferramentas requerem um operador muito adequado, pois mal utilizadas podem causar graves lesões à planta. Em qualquer caso, os cortes devem ser lisos e fluidos. Para prevenir o encharcamento e promover a cicatrização, a superfície é espalhada com alcatrão ou mastique ou chumbo ou com uma solução concentrada de sulfato de cobre.


Forma e poda da macieira

Forma de cultivo

A macieira do jardim vem geralmente realizada na forma clássica de vaso, enquanto no pomar profissional é muitas vezes inclinado a formas achatadas, fazendo a planta crescer em palmeta, ou espaldeira. Desta forma, a colheita é facilitada e fileiras de plantas podem ser organizadas. A macieira fusiforme também é muito popular, em que a planta se desenvolve verticalmente no caule sem muitos ramos principais.

Podar a macieira

A primeira poda a ser feita em uma árvore frutífera é a que treina, que determina o sistema de treinamento, obviamente dependendo da forma desejada, a intervenção deve ser calibrada.

Além do corte de treinamento corta-se regularmente todos os anos para melhorar a produção e manter as filiais ordenadas e dimensionadas. Lá poda de renovação consiste em eliminar ramos velhos e reorganizar a folhagem, realizado entre o outono e o inverno. No mesmo período, de novembro a fevereiro, também é possível fazer o poda de produção, que visa favorecer ramos com muitos botões.

poda verde, quando você elimina os sugadores e sugadores, em vez disso é melhor fazer isso mesmo no verão.

No cultivo, a poda é uma das operações mais difíceis e mais importantes de realizar. Ele merece um estudo aprofundado.


Adversidade do pomar de maçã

Insetos e parasitas

carpocapsa ou verme da maçã é certamente o mais difundido entre os parasitas da macieira, é uma mariposa cujas larvas na planta podem destruir toda a colheita. O pomar de maçã pode ser atacado também de outros insetos: por exemplo bordadeiras, antónomo, pulgões e cochonilha.

Conhecer os possíveis insetos nocivos da macieira é importante para poder intervir com rapidez. Vale a pena investigar o assunto.

Doenças da macieira

O pomar de maçã pode estar sujeito a várias doenças da pomóidea, o mais temido deles é o sarna, um problema de fungos que é favorecido pela umidade. A crosta ataca frutas e folhas. Ainda entre as doenças criptogâmicas, a macieira está sujeita a oídio (ou doença branca), câncer de ramos, podridão de raiz ou colo.

Vamos descobrir como reconhecer, prevenir e combater as principais doenças da macieira, sempre com métodos de agricultura biológica.


Necessário

É importante saber que a macieira é uma das árvores frutíferas mais cultivadas na Itália, com dimensões médio-grande, que também rondam os 8-10 metros. Para manter o seu estado frutífero, a primeira coisa a fazer é remover todos aqueles arbustos, arbustos ou árvores que se aglomeram no perímetro ao redor da macieira e sufocá-la, pois a macieira prefere o sol pleno.
A melhor época do ano para podar e garantir uma colheita frutífera é março ou abril, período após o frio abundante do inverno que anuncia a primavera.


Otimize a atividade vegetativa

Ainda no que se refere à poda da macieira-anã, deve-se ressaltar que é aconselhável otimizar a atividade vegetativa. Na verdade, é importante que isso aconteça de maneira uniforme em toda a planta e não em um único ramo cortado, pois este poderia absorver grande parte da seiva e dos nutrientes com o risco de um rápido envelhecimento da própria planta. A falta de tal previsão poderia, entre outras coisas, criar um habitat ideal para parasitas que, se presentes, se alimentam da linfa vital de que a macieira anã precisa para dar frutos.


Vídeo: Maçã produzida em climas quentes no nordeste brasileiro